Time

Tiago Nunes vê revés como lição para sequência decisiva em casa

Créditos: Miguel Locatelli/Site Oficial

O técnico Tiago Nunes avaliou o rendimento do time principal do Athletico Paranaense, nesta terça-feira (5), pela estreia da Conmebol Libertadores 2019. Com um gol de bola parada na primeira etapa, o Rubro-Negro foi superado pelo Tolima, por 1 a 0, na Colômbia.

“Colocar na conta do ritmo de jogo não é o mais justo. Faz falta disputar mais jogos, mas poderíamos ter tido um maior rendimento por situações nossas mesmo”, analisou. “Começamos a ter algumas dificuldades [depois de um início equilibrado] em relação aos enfrentamentos individuais, aos duelos individuais. Na bola parada, o Tolima conseguiu vantagem e chegou à vitória”, complementou.

O treinador rubro-negro também descartou que as ausências de Jonathan e Lucho tenham sido fundamentais para a derrota. “Não passou pela ausência deles a derrota. Infelizmente, aconteceu a lesão do Madson muito cedo. Uma lesão muscular, que não esperávamos”, disse Tiago, que aproveitou para comentar sobre a entrada de José Ivaldo. “Optamos pelo Zé [Ivaldo], que já tinha jogado nesta posição em alguns momentos, inclusive na Libertadores [em 2017]”, acrescentou.

Para Tiago Nunes, o revés serve como aprendizado para a importante sequência de três partidas consecutivas em casa na Conmebol Libertadores. O primeiro desafio é já na semana que vem, diante do Jorge Wilstermann.

“Serviu como aprendizado e como lição importante para os jogos que se aproximam que disputaremos na nossa casa”, destacou. “Temos que encarar como algo importante e determinante na busca pela classificação”, concluiu.

O Athletico Paranaense passa a noite em Ibagué, na Colômbia, e nesta quarta-feira (6) inicia a preparação para a segunda rodada do Grupo G da Conmebol Libertadores. No período da tarde, a delegação retorna a Curitiba. A chegada está prevista para quinta-feira (7).

Comentários

Ivoir Taxista Santos Cordeiro
3 semanas

Excluir
Porque pré temporada não faz efeito .? Será que não se leva a sério? Moro tem que investigar isso!