CAP 0
1º T
0'
5 0 FLA
Copa do Brasil 2019
Quartas de final
Clube

Título estadual de 1943 completa 75 anos! Confira todos os detalhes da conquista

Uma das conquistas mais emocionantes da história do Athletico Paranaense completa 75 anos nesta quarta-feira (16)! No dia 16 de janeiro de 1944, o Rubro-Negro derrotou o Coritiba por 3 a 2 e levantou o troféu de Campeão Paranaense de 1943. Um triunfo tão marcante que ganhou até uma paródia do hino athleticano.

O Furacão montou um timaço para aquela temporada, unindo o talento dos jogadores formados em casa com reforços de impacto, inclusive craques internacionais. O título veio com uma campanha avassaladora, com apenas uma derrota em 14 jogos. Na final, duas vitórias por 3 a 2, de virada, nos clássicos. A comemoração foi inesquecível e durou toda a semana.

Confira os detalhes desse título cheio de histórias!

A revolução

No início de 1943, assumiu a presidência do Athletico o capitão Manoel Aranha. Era irmão de Osvaldo Aranha, braço-direito do presidente Getúlio Vargas e ministro das Relações Exteriores. No comando do Clube, Maneco Aranha virou o futebol paranaense de pernas para o ar, apostando na profissionalização. Contratou craques, promoveu uma reforma administrativa e colheu os resultados. Além do título que completa 75 anos hoje (16), conquistou também o estadual de 1945 e inúmeros troféus nas Categorias de Formação e nos esportes amadores.

O timaço

O Athletico já tinha o goleiro Caju e o lateral-esquerdo Joanino, da Seleção Brasileira, além do zagueiro Zanetti e do atacante Cireno. O zagueiro Urias e o volante Nillo, futuro capitão do Furacão de 1949, foram promovidos dos Aspirantes. O volante Joaquim veio do Guarani, de Ponta Grossa. O atacante Lilo e o zagueiro Pizzatto, que estavam no Juventus, voltaram para casa. E de São Paulo vieram o ponta-direira Batista, do Palmeiras, e o meia-direita Lupércio, do Santos. A torcida já estava eufórica, mas os reforços de maior impacto ainda estavam por vir.

Os paraguaios

Maneco Aranha tinha seus contatos no Paraguai e trouxe de lá dois craques do Cerro Porteño, tricampeão nacional, e da Seleção Paraguaia: o meia-esquerda Ruben Aveiros, que já havia defendido o Boca Juniors e o Racing, da Argentina, e o ponta-esquerda Gorgonio Ibarrola. Ambos chegavam no auge da carreira, aos 26 e 25 anos, respectivamente. E junto ainda veio o técnico Eduardo Carbô, também com história no futebol argentino e na seleção do Paraguai. Assombrada e eufórica, a torcida tinha a certeza que um esquadrão havia sido formado.

A campanha

Em campo, o timaço rubro-negro não decepcionou. Carbô aumentou a intensidade dos treinamentos e implantou mais uma novidade: a concentração antes dos jogos mais importantes. Desde o início, deu resultado. O time começou o campeonato com tudo, goleando Juventus, Britânia, Comercial… Teve apenas uma derrota no primeiro turno: 2 a 1 para o Brasil. No segundo, a zebra não se repetiu, o Furacão permaneceu invicto e se classificou para a decisão extra, em uma “melhor de três” contra o Coritiba.

O primeiro duelo

O primeiro jogo foi na casa do rival. Logo no início, Lilo recebeu passe de Ibarrola e fuzilou para abrir o placar. O Coritiba empatou ainda no primeiro tempo e virou no início do segundo. Empolgado, o rival partiu para cima, mas parou no paredão chamado Caju.

Aos 17’, Ibarrola chutou forte e pegou o rebote do goleiro para empatar novamente. E, aos 32’, Aveiros lançou Ibarrola, que marcou mais um: 3 a 2!

Aos 38’, o juiz marcou pênalti para o Coritiba. Altevir foi para a cobrança, mas Caju fez mais uma brilhante defesa, garantindo a vitória!

A grande final

Mesmo debaixo de chuva, a Baixada estava completamente lotada. Um empate bastava para o Furacão conquistar o troféu. Mas a torcida presente viria mais um jogo antológico!

Lilo abriu o placar para o Rubro-Negro no primeiro tempo. Logo no início do segundo, o Coritiba empatou e chegou à virada pouco depois. Para deixar tudo ainda mais difícil, Batista se machucou e ficou em campo apenas para fazer número.

Aos 36’, Ibarrola cruzou, Lilo deixou passar e Batista, mancando, apareceu livre e não perdoou: 2 a 2!

O resultado já servia, mas o Athletico continuou pressionando. Aos 41′, Ibarrola lançou para Lilo, que acertou um incrível voleio, de virada. Era o gol da vitória e do título estadual de 1943!

A festa do campeão

A euforia que tomou conta do Joaquim Américo não terminaria naquele dia. Um título daqueles tinha que ser dignamente comemorado e o Athletico não deixou por menos.

A “Semana da Vitória” teve festa todos os dias na sede social da Rua XV de Novembro e terminou de forma apoteótica. Na sexta-feira, o “Show da Vitória” superlotou o Cassino Ahú. No sábado, banquete de 300 talheres na Sociedade Thalia. E no domingo, uma grande churrascada sob os pinheiros do bosque do Estádio Joaquim Américo.

O multicampeão

As glórias rubro-negras de 1943 não se resumiram ao título de Campeão Paranaense com os profissionais. Naquela temporada, o Furacão também levantou os canecos dos campeonatos estaduais de Aspirantes e de Amadores. E para completar, também faturou os títulos paranaenses de atletismo e de basquete.

O hino rubro-negro

Na grande festa no Cassino Ahú, uma cartolina foi colocada em cima das mesas, apresentando pela primeira vez como hino oficial os versos escritos por Zinder Lins, em 1930. E também uma paródia da já conhecida canção, exaltando o feito dos campeões de 1943:

Athletico, Athletico
Conhecemos teu valor
E a camisa rubro-negra
Só se veste por amor

Por duas vezes de 3 a 2
Nosso onze abateu vocês
Coritiba, reconheça
Os campeões de quarenta e três

O grande arqueiro athleticano
Nem o pênalti vence
E tem porte soberano
De campeão paranaense!

O nosso onze é resoluto
Lutou com raça e padrão
E é o campeão absoluto
Desta Quinta Região

Como a vida é transitória
A onça escolheu morada
Abandonou o “Alto da Glória”
E foi morar lá na Baixada

Vibra hoje a nossa gente
Com a grandiosa façanha
Do incansável presidente
Capitão Maneco Aranha

Na história: Athletico Paranaense 3×2 Coritiba
Campeonato Paranaense 1943: Final – Segundo jogo
Data: 16/01/1944
Local: Estádio Joaquim Américo
Árbitro: José Rodrigues Rocha

Athletico Paranaense: Caju; Zanetti e Urias; Pizatto, Nilo e Joanino; Batista, Lupércio, Lilo, Aveiros e Ibarrolla.
Técnico: Antônio Carbô
Gols: Lilo, aos 35’ do primeiro tempo; Batista, aos 36’, e Lilo, aos 41’ do segundo tempo.

Coritiba: Sandro; Augusto e Breyer; Tonico, Arion e Janguinho; Babi, Merlin, Neno, Rubinho e Altevir.
Gols: Rubinho, aos 7’, e Babi, aos 23’ do segundo tempo.

Comentários